Temo Explicação
Artefato de futuro Objetos familiares da vida cotidiana que nos ajudam a entender como seria viver em um futuro possível. Os artefatos podem ser, por exemplo, um adesivo, rótulos de produtos, futuras notas de cartão de crédito. O contato com esses objetos é o que aumenta nossa capacidade de utilizar a inteligência intuitiva para tomar decisões sobre o futuro.
Cenário futuro É uma maneira de prototipar um futuro que pode – ou não – vir a acontecer. Mas, a previsão permitirá tomar decisões mais embasadas das consequências despretensiosas e dos impactos sistemáticos desse cenário. A criação de um cenário de futuro mostra como uma possibilidade de futuro seria se um determinado conjunto de eventos ou condições acontecesse.
Design Fiction Prática de design que visa explorar e criticar futuros possíveis criando cenários especulativos e muitas vezes, provocativos, narrados através de artefatos projetados. É uma maneira de facilitar e fomentar debates sobre o futuro.
Explorador de futuros A capacidade de imaginar futuros é peculiar à espécie humana. Todos somos potenciais exploradores do futuro. O mindset de um explorador começa a ser desenvolvido com a consciência de que o futuro não é pré-determinado, e sim criado.
Fatos desconhecidos (no jargão ‘unknown unknowns’) O que a gente não sabe que não sabe? Todo projeto e pesquisa possui riscos não identificados. São esses que nos deixam vulneráveis às possibilidades de futuros que não foram previamente mapeadas. A melhor forma de dirimir os ‘unknown unknowns’ é a pluralidade de visões.
Foresight Processo de pensamento sistemático para visualizar possibilidades de futuros a longo prazo e identificar tendências emergentes com o objetivo de antecipar futuros, na prática. O processo prospectivo promove prontidão para mudança organizacional.
Futurismo Estudo prospectivo e comportamental crucial para pessoas e organizações que estão – ou vão passar – por processos de mudança. O futurismo ajuda a preparar empresas a se adaptarem para absorver as ameaças e identificar a resposta mais eficaz considerando a volatilidade e complexidade destes tempos pós-normais.
Futuro preditivo Aquele que um indivíduo afirma que vai acontecer. É uma ideia de futuro que não prevê o campo das possibilidades e por conta disso, acaba por limitar a imaginação.
Futuro usado É o ato de desenhar cenários futuros baseado no pressuposto de que o mundo permanecerá, essencialmente, o mesmo.
Futuros desejáveis Futuros que queremos que aconteçam baseados nas nossas crenças e valores. Após a exploração de múltiplos cenários, o desejável é o futuro que decidimos construir.
Futuros experienciais (Experiential Futures) Criação de cenários experienciais que tem por objetivo amplificar a noção sensorial temporal. Ativa memórias de futuros (memórias que não existem) com níveis profundos de informação de uma época no futuro para entender como as pessoas daquele tempo vivem, se relacionam, trabalham, etc.
Hipóteses de futuros Questões que especulam possibilidades futuros com objetivo de desafiar suposições e suspender a descrença sobre o futuro. São criadas no pretérito imperfeito (“if-clauses”), pois representam as inúmeras possibilidades de futuros explorados.
Imagem de futuro Imagens mentais do que não aconteceu “ainda”. Aquilo que nunca foi experimentado ou registrado. Estamos continuamente gerando imagens sobre o amanhã. Tais imagens inspiram nossas intenções e estas intenções são o que nos move para frente. Através de escolhas diárias, indivíduos, famílias, empresas, comunidades e nações se movem em direção àquilo que imaginam ser um amanhã desejável.
Memória de Futuros São registros de vivência de cenários futuros. O ser humano cria memória a partir da imaginação sobre algo que ainda não existe. É essa memória que nos impacta para tomar decisões mais conscientes sobre o futuro, no presente.
Notícias de Futuros Notícias criadas a partir de eventos ficcionais extraídos de uma prospecção ou de um cenário futuro.
O cisne negro Metáfora que descreve um evento que surge como uma surpresa e tem um impacto sistemático significativo. O termo é baseado em um antigo ditado que diz que, supostamente, não existem cisnes negros – ditado o qual foi reinterpretado após cisnes negros terem sido descobertos na natureza.
O futurista Profissional que estuda futuros. O futurista considera horizontes temporais mais longos do que analistas, economistas ou especialistas Seu trabalho é traduzir sinais do presente (comportamentos, movimentos, ideias e desejos) de modo a canalizá-los em estratégias de construção de futuros desejáveis.
Sinais fracos Recortes de notícias de eventos contemporâneos que ainda acontecem nas margens, mas cujo o impacto pode gerar grande barulho no futuro. Esses eventos incomuns podem tanto indicar uma mudança quanto evidenciar uma tendência emergente.
Tendência É a direção geral que as mudanças estão seguindo em um certo período de tempo, formada a partir do conjunto de sinais fracos que atendam o mesmo padrão.
V.U.C.A Termo dos anos 90 criado em um contexto militar. É uma sigla que descreve um ambiente / situação com condições de volatilidade (volatility), incerteza (uncertainty), complexidade (complexity) e ambiguidade (ambiguity). Traduz as condições do mundo dos negócios nos dias atuais num momento em que tecnologias se renovam constantemente e nossos hábitos de consumo se transformam a cada instante.